• Se eu tivesse alma, de débora gil pantaleão

débora gil pantaleão é doutoranda, com foco em estudos literários, possui graduação e mestrado em letras e é especialista em psicanálise. Publicou quatro livros de poesia: se eu tivesse alma (2015), vão remédio para tanta mágoa (2017), sozinha no cais deserto (2018) e objeto ar (2018). sua estreia na prosa foi em 2017 com a novela causa morte e com o livro de contos nem uma vez uma voz humana. é idealizadora e editora da editora escaleras e coeditora da revista malembe.


“Não esqueço de onde vim/ Filha da melancolia: nasci.” Vejo que a poesia de Débora Gil Pantaleão constrói uma tênue transversalidade temática. A memória para além do tempo. O erótico para além dos limites da pele. O nó racional nos laços da sensibilidade extrema. O desapego do ponto de partida e o mergulho na origem. Uma poesia carregada de leituras do mundo e do corpo enquanto miríade da existência. Iluminando todos os campos e guardando a sombra necessária da próxima descoberta.

Poemas que dialogam entre si levando ao extremo a angústia de existir. Uma escrita que constróis sua unidade na lucidez e na serenidade das escolhas. Ao mesmo tempo, não poupa as feridas. O poema enquanto arma branca a espalhar as vísceras de uma liberdade que é puro enfrentamento. “Sou feita de chuva/ escorro quando quero/ escondo-me de mim.” A poeta celebra a liberdade enquanto inquietude e resistência. Desnuda as invisibilidades.  A liberdade e suas ausências.

Que privilégio colher seus plantios!

Lau Siqueira

 

DETALHES DO LIVRO
Origem: NACIONAL
Edição: 1
Ano: 2019
Assunto: Literatura Nacional (Poesia)
Idioma: PORTUGUÊS
País de Produção: BRASIL
ISBN: 978-85-94213-21-1
Encadernação: BROCHURA
Altura: 12,5 cm
Largura: 19,0 cm
Nº de Páginas: 56

Se eu tivesse alma, de débora gil pantaleão

  • Modelo: Poesia
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$ 35,00


Etiquetas: Poesia